Budapeste e o Comitê Olímpico Húngaro oficializaram nesta quarta-feira a intenção da cidade de se candidatar a sede da Olimpíada de 2024. O prefeito Mayor Istvan Tarlós e o presidente da entidade olímpica local, Zsolt Borkai, fizeram uma declaração em conjunto em uma carta a Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Um trecho da carta divulgada nesta quarta enfatizou que “a cidade de Budapeste e o Comitê Olímpico Húngaro desejam participar do processo de candidatura e de licitação com o objetivo de ser escolhida a cidade-sede da Olimpíada de 2024”.

Ao confirmar a sua candidatura, Budapeste se juntou a Paris (França), Roma (Itália), Boston (Estados Unidos) e Hamburgo (Alemanha) como cidades que já confirmaram a condição de postulantes a abrigar os Jogos de 2024.

O prazo final para apresentação de propostas de candidatura é o dia 15 de setembro, sendo que o COI elegerá em 2017 a sede da Olimpíada que será realizada daqui a nove anos – as duas próximas edições dos Jogos serão no Rio e em Tóquio, em 2016 e 2020, respectivamente.

Embora encare quatro concorrentes de peso e de países de maior poder econômico, Budapeste aposta que sua candidatura está alinhada com as reformas que estão sendo promovidas pelo COI sob a presidência de Bach, eleito para o cargo em setembro de 2013.

“Estamos convencidos de que a candidatura de Budapeste é a resposta ao programa de reforma da Agenda 2020 do COI. Nossa intenção de candidatura harmoniza com o conceito de Olimpíadas econômicas do COI”, ressaltou um trecho da carta enviada ao COI por Tarlós e Borkai.

No mês passado, o conselho de Budapeste aprovou, com votação esmagadora, que a capital da Hungria se candidatasse a sediar os Jogos de 2024. Naquela ocasião, o prefeito Tarlós afirmou que “Budapeste só pode ser uma vencedora” porque sediar uma edição da Olimpíada só iria acelerar o desenvolvimento da cidade.

Os parlamentares da cidade deram 25 votos a favor da proposta e apenas um contra, com uma abstenção. Anteriormente, em 10 de junho, o Comitê Olímpico Húngaro também aprovou a proposta de candidatura da cidade.

Tarlós disse que estava cético sobre uma possível candidatura, mas depois se convenceu após o COI aprovar o programa de reformas denominado “Agenda Olímpica 2020”, que apoia o uso de instalações existentes e defende gastos menores com a organização da Olimpíada.