No último dia antes da estréia, o treino
foi puxado no ginásio Geraldão, no Recife.

Recife – Agora é para valer. Depois de dois meses disputando a fase classificatória, a seleção brasileira masculina de vôlei entra em quadra hoje para começar a brigar pelo tricampeonato da Liga Mundial. E o primeiro obstáculo será a Espanha, às 15h30, no ginásio Geraldão, em Recife, com transmissão ao vivo da TV Globo e da Sportv.

O clima de decisão já contagiou os jogadores brasileiros, que sabem que não terão um jogo fácil na estréia. “Fizemos uma semana de treinamentos aqui em Recife e Belo Horizonte muito boa. Chegamos à final com um ritmo forte. Mas o primeiro jogo contra a Espanha será uma partida difícil. Estréia é sempre estréia. Este será o primeiro dos cincos obstáculos que vamos ter pela frente para que possamos levantar o caneco domingo”, disse o atacante Giba.

O forte ritmo da decisão e o alto grau de importância de cada partida fazem Giba apontar o conjunto como o diferencial. “Cada jogo tem a sua história. Temos que nos concentrar totalmente nos espanhóis e, depois, com vitória ou com derrota, precisamos esquecer o que passou e voltar nossa atenção para o próximo adversário: a Holanda. Por isso, contra qualquer adversário, o conjunto precisa prevalecer”, afirmou.

Para o capitão Nalbert, se o Brasil jogar tudo o que sabe, não encontrará dificuldades. “A Espanha é um time equilibrado, não possuí nenhuma característica excepcional, mas tem jogadores experientes. Não podemos bobear. Temos que fazer nosso jogo normalmente. Tecnicamente, somos superiores, e, se jogarmos tudo o que sabemos, não teremos dificuldade para vencer”, comentou o ponta.

Giba também alerta os companheiros para o conjunto espanhol e aponta dois experientes jogadores que podem dificultar. “A Espanha é um time parecido com o Brasil. Como eles não são muito altos, jogam em equipe, sem um grande destaque. Mesmo assim, possuem jogadores com experiência, como o meio-de-rede Salvador e o oposto Falasca”, observou Giba.

Apesar de já estar garantido nas finais por ser o país-sede, o Brasil terminou a fase classificatória em primeiro lugar da chave A, com nove vitórias e três derrotas todas para a Polônia, que ficou em segundo. Já os espanhóis terminaram na segunda colocação do grupo B, atrás da Itália, com oito vitórias e quatro derrotas, todas para os italianos.

Ainda hoje, no ginásio Geraldão, acontece a partida de fundo, a partir das 18h. Holanda e Rússia fazem a outra partida do grupo E. O grupo F, que terá como sede o ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte, terá dois jogos na tarde de hoje: Itália x França, às 17h30; e Iugoslávia x Polônia, às 20h.