Um primeiro tempo para esquecer. Até parece que não tinha jogo oficial do Brasileirão marcado para as 18h deste sábado (18) na Arena da Baixada. Atlético e Santos judiaram da torcida e de quem estava em casa assistindo pela televisão. Erros de passes e chutões da defesa para o ataque foram predominantes durante quase meia hora. Com uma escalação diferente, Paulo Autuori tentou fazer Walter jogar na armação, mas não funcionou. Aliás, o setor ofensivo do Furacão teve uma atuação muito fraca. Tanto que as três mudanças feitas pelo treinador foram do meio para frente.

Para compensar, a zaga com Paulo André e Thiago Heleno se mostrou muito eficiente, não dando espaços para o rápido time do Santos. Se não tiver problemas de lesão e suspensão, essa é a melhor dupla que Paulo Autuori tem para escalar. Thiago Heleno é daqueles zagueiros que não desiste da jogada, dá chutão quando precisa e é um gigante nas bolas aéreas. Paulo André empresta toda sua experiência e sabe dar o bote na hora certa. Além disso, aparece na área adversária com eficácia.

O que ficou claro no jogo contra o Santos é que Vinícius tem que jogar. O meia entrou no lugar de Walter, que por sinal foi um fiasco, e mudou o jogo. Criou jogadas, apareceu na cara do goleiro para marcar, cobrou o escanteio que originou o gol de Paulo André. Então, ele não pode ficar fora da equipe. Não adianta ter um ataque com Walter e André Lima se a bola não chega na frente com qualidade e já ficou comprovado que o lugar de Walter não é armando.

Na marcação, Deivid e Otávio se mostraram eficientes. O primeiro é o destruidor das jogadas adversárias e ainda aparece como elemento surpresa para finalizar de fora da área. Otávio tem um passe mais qualificado e pode ajudar na criação, puxando contra-ataques mais precisos.