O presidente do Conselho Deliberativo do Athletico, Mario Celso Petraglia, não gostou de ser questionado sobre a dívida da Arena durante a entrevista coletiva desta segunda-feira (13), pediu para a repórter Luana Kaseker “se calar” e ameaçou proibir a entrada do jornal Gazeta do Povo nas próximas coletivas do clube. O encontro com jornalistas tinha como pauta principal o caso de doping de jogadores do clube na Copa Libertadores.

+ Falha: Petraglia admite erro do Athletico em caso de doping de Thiago Heleno e Camacho

No fim da entrevista, ao ser questionado sobre a pendência envolvendo o estádio (o balanço do clube mostra que o passivo chega a R$ 430 milhões), o dirigente pediu outra pergunta sobre o tema do encontro. A repórter então quis saber se a ausência do volante Bruno Guimarães da partida contra o Boca Juniors (por causa de uma amigdalite, diz o Athletico) teria também relação com alguma suspeita de doping.

+ Sorteio: Confira o próximo adversário do Furacão na Libertadores

Indignado, ele interrompeu a jornalista antes da elaboração da pergunta de forma ríspida e a advertiu verbalmente. “Por favor, estou pedindo que ajudem a melhorar a imagem dos atletas envolvidos. E a senhorita, senhora, não sei, vem envolver atletas que não estão envolvidos. Se continuar neste caminho, a próxima entrevista coletiva a Gazeta do Povo estará proibida de entrar. Por favor, cale-se então…”. Mesmo sem ser atendida, a repórter agradeceu a atenção dada e ouviu uma nova agressão verbal. “Isto não merece agradecimento, merece desculpas”.

O possível envolvimento de Bruno Guimarães foi noticiado por vários veículos de comunicação, após a revelação do caso por parte da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol).

+ Maratona: Destaque do time, Nikão reclama da maratona de jogos

O Sindicato dos Jornalistas do Paraná soltou uma nota de repúdio para o ocorrido e disse que a profissional foi “humilhada e hostilizada”. “Faltar com respeito e impedir jornalistas de trabalhar, pelo fato de não perguntarem o que querem ouvir, viola o livre exercício profissional”, cobrou.

A assessoria de comunicação do Athletico disse que a reação de Petraglia à pergunta foi uma tentativa de proteger seus jogadores. Segundo a assessoria, a questão sobre Bruno Guimarães já havia sido esclarecida e o presidente do conselho interpretou que poderia haver “segundas intenções” por parte da repórter.

Nossa opinião

O presidente do Conselho Deliberativo do Athletico está sempre cercado de pessoas que só lhe dizem amém. E que certamente não lhe alertam que hostilizar uma mulher é algo impensável, indefensável e irreparável. Ao contrário, julga as tais “segundas intenções”, como se perguntar fosse errado – ou, pior, só perguntas ‘agradáveis’ fossem autorizadas. Fica a solidariedade à repórter Luana Kaseker e a tristeza de ainda ver no futebol paranaense pessoas poderosas que hostilizam mulheres. E os que têm a triste reação de achar isso certo.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!