Na partida do Athletico diante do Santos neste domingo (08), o pênalti marcado contra o Rubro-Negro, pelo árbitro Rodrigo Carvalhaes de Miranda, foi muito questionado pelo técnico Tiago Nunes. O confronto foi válido pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro e teve como palco a Vila Belmiro. O Furacão vencia até os 45 minutos da segunda etapa, mas após um lance de falta de Braian Romero em cima de Marinho, o VAR chamou a arbitragem, que assinalou a penalidade. Sánchez converteu e deixou o placar em 1×1.

+ Furacão empata com o Santos na Vila Belmiro

Em um primeiro momento, a falta do argentino em cima do jogador do Santos, aos 41 minutos, foi punida com um cartão amarelo. Porém, o VAR foi acionado. Ao analisar o vídeo, Carvalhaes de Miranda entendeu que a falta tinha sido dentro da área, algo contestado por quem teve acesso à imagem.

Indignado com a sinalização do pênalti, o técnico Tiago Nunes passou a reclamar, e entrou em atrito com o técnico do Santos, Jorge Sampaoli. O preparador físico do Peixe entrou na discussão e foi expulso, enquanto o técnico Tiago Nunes levou cartão amarelo.

+ Veja como foi o jogo entre Santos e Athletico

O ex-atleta Paulo André, hoje diretor de futebol do Athletico, falou sobre a indignação de toda a delegação atleticana em relação à postura da arbitragem. “Estamos nos sentindo prejudicados, é uma grande vergonha o que aconteceu hoje, a falta claramente aconteceu fora da área. O juiz utiliza o VAR e oficializa um ato que nos prejudicou fortemente. Fomos garfados. É inadmissível que com ele estando próximo, três pessoas dentro de uma sala o convençam a assistir o lance e depois ele confirme o pênalti que não existiu”, destacou.

+ Confira a classificação da Série A

O ex-zagueiro disse a discussão de Tiago Nunes se deu porque vários atletas ouviram o técnico Sampaoli ofender jogadores do Athletico e Nunes, por sua vez, foi defender seus atletas.

Além disso, o dirigente deixou claro a falta de capacitação para o trabalho com o VAR.

“Defendo piamente o VAR, mas a CBF precisa capacitar os árbitros não só tecnicamente, mas emocionalmente. Eles precisam saber aguentar a pressão externa. Vamos continuar errando mesmo com o VAR se continuar dessa forma, não justifica todo o investimento e seguir com os erros. É vergonhoso”, finalizou.