Foto: Maurício Val/ Fotocom

Felipe Alves marcou bem Bruno, que acabou sendo substituído. Mas deu Fluminense.

Dois erros capitais da arbitragem e muitos erros de finalização. Combinação mortal e que acabou custando ao Paraná Clube três pontos e a chance de se firmar entre os primeiros colocados do Brasileirão. Melhor para o Fluminense, que fez 2×1, chegou aos dez pontos e segue na liderança da competição, ao lado do Santos.

Na base do toque de bola, o Paraná mandou no primeiro tempo. Tirando proveito da apatia do adversário, o time de Caio Júnior impôs forte marcação, a partir da intermediária adversária, e esteve a pique de abrir o placar logo nos primeiros minutos. Beto e Batista comandaram o jogo e na cadência da dupla o tricolor foi chegando na área do Fluminense com relativa facilidade.

A rigor, só faltou o gol. Nem parecia que esta mesma equipe, há menos de uma semana havia balançado as redes do Grêmio cinco vezes, tamanha a falta de pontaria. Logo aos 5 minutos, Zumbi foi puxado na área pelo zagueiro Thiago, mas insistiu na jogada e chutou para a defesa de Fernando Henrique. Este era apenas o cartão de visitas do Paraná. Pouco depois, foi o zagueiro Edmilson quem apareceu livre na área, recebendo lançamento de Batista e batendo fraco, para fora.

O tricolor seguiu soberano na partida e aos 20 minutos, após cobrança de falta de Zumbi, Beto ficou com a sobra, tocou e Fernando Henrique operou "milagre". O sinal mais claro da falta de pontaria dos paranistas veio aos 30 minutos. Cristiano recebeu passe perfeito de Zumbi, entrou na área e chutou mal, de canhota, pela linha de fundo. No lance seguinte, Beto desviou de cabeça, após cobrança de escanteio, e Romeu salvou sobre a risca.

Foi só então que o Fluminense "acordou" e quase marcou com Bruno. O meia recebeu livre e encobriu o travessão na saída de Flávio. Na seqüência, foi Tuta quem chutou mal, da marca do pênalti. O primeiro tempo caminhava para o final quando um erro da arbitragem mudou os rumos da partida. Tuta, em total impedimento, tocou de calcanhar para Lenny, que passou por Flávio, Gustavo e só rolou para o gol: 1×0. O árbitro admitiu ter visto o toque de Tuta, mas "confiou na marcação do seu assistente".

Sem se deixar abalar pelo gol irregular, o Paraná voltou para a etapa final com a mesma postura. A única mudança foi na meta, com Marcos Leandro entrando no lugar de Flávio, lesionado. Só que as chances de gol já não eram tão claras. Na melhor delas, após tabela Beto-Batista, Felipe Alves recebeu na área e chutou cruzado, mas sem direção. Caio Júnior então arriscou tudo com a entrada de Maicosuel na vaga de Batista. Só que na prática a mudança não surtiu o efeito desejado.

O Fluminense tratou de cadenciar o jogo e ainda "ganhou" o segundo gol. Num escanteio batido por Rogério, Émerson falhou e Rissut recebeu livre para fuzilar: 2×0. O árbitro voltou a errar não marcando pênalti sobre Beto e no lance seguinte "viu" toque de Thiago Silva e apitou a penalidade máxima. Émerson bateu com categoria, mas era tarde para a reação: 2×1, para o Flu.

CAMPEONATO BRASILEIRO

SÉRIE A – 4ª RODADA

FLUMINENSE 2×1 PARANÁ CLUBE

FLUMINENSE: Fernando Henrique; Thiago Silva, Thiago (Jean) e Roger; Rogério, Romeu, Arouca (Gabriel Santos), Bruno (Rissut) e Marcelo; Lenny e Tuta. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

PARANÁ: Flávio (Marcos Leandro); Gustavo, Émerson e Edmilson; Angelo, Felipe Alves, Beto, Batista (Maicosuel) e Edinho; Cristiano e Zumbi. Técnico: Caio Júnior.

SÚMULA

Local: Maracanã (Rio de Janeiro).

Árbitro: Édson Esperidião (ES).

Assistentes: Antônio Carlos de Oliveira (ES) e Alfonso Scarpati (ES).

Renda: R$ 150.000,00.

Público: 36.451 pagantes.

Gols: Lenny a 45° do 1º tempo. Rissut a 29° e Émerson (pênalti) a 46° do 2º tempo.

Cartões amarelos: Lenny e Thiago (Fluminense). Émerson e Felipe Alves (Paraná).