São Paulo – O namoro entre São Paulo e Dagoberto continua, com promessa de final feliz. E se tem alguém que torce para o fim dessa novela tricolor é Aloísio. Os dois jogadores foram companheiros no Atlético-PR e o atacante são-paulino serve de informante para o ex-colega.

?Tem uma semana que conversamos?, diz Aloísio. ?Ele sempre me pergunta do São Paulo e eu digo que, se vier para cá, só vai se preocupar em jogar futebol.? E Dagoberto, tão interessado que está em jogar no São Paulo, até já perguntou sobre os métodos de trabalho do técnico Muricy Ramalho. ?Ele quer saber como funciona, mas eu não vou dizer o que falei pra ele, não?, despistou Aloísio, divertindo-se com a pergunta.

Para o são-paulino, que se preocupa com o amigo, a situação de Dagoberto precisa ser resolvida logo. O atleticano está às turras com a diretoria do rubro-negro paranaense e não atua no time principal -está encostado também no time B.

Multa rescisória

De acordo com Naor Malaquias, agente do jogador, a definição do destino de Dagoberto passa pelo acerto entre os dois clubes. ?Na quinta-feira, os dois presidentes tiveram uma conversa. Agora depende deles?, afirmou. Um processo demorado, já que o Furacão não está muito disposto a liberar Dagoberto sem receber os R$ 16 milhões da multa rescisória, que cairá para R$ 5 milhões ao fim do mês, quando o contrato do atleta termina – o clube tem direito a uma renovação automática por causa do tempo que o jogador ficou afastado por lesão.

Dagoberto recebeu propostas do Internacional, do Monaco e do Mallorca. Mas não abre mão de jogar no Morumbi. ?Ele analisou as propostas, mas acha que, para a carreira dele, o melhor é jogar no São Paulo?, afirma Malaquias.