Spa-Franchorchamps, Bélgica – O alemão Michael Schumacher chegou em segundo lugar no GP da Bélgica e garantiu o heptacampeonato mundial de Fórmula-1, com quatro corridas de antecedência. E se a campanha este ano não foi das mais emocionantes, pelo menos o título foi conquistado em uma das melhores provas da temporada. O Grande Prêmio de ontem, em Spa-Francorchamps, teve diversos líderes, três entradas do safety car e um bom desempenho dos quatro brasileiros. No fim, todos no pódio tinham motivos para comemorar: o finlandês Kimi Raikkonen conseguiu a primeira vitória da McLaren em 2004 e Rubens Barrichello chegou em terceiro após fazer uma corrida de recuperação. Mas o mais feliz era, claro, Michael Schumacher.

“Ganhar o sétimo título aqui em Spa é formidável. Acho que fizemos uma bela corrida e tanto Kimi quanto Rubens e eu podemos estar felizes por este momento que vivemos. É um grande dia para todos, embora eu preferisse ter conquistado o título com uma vitória”, declarou Schumacher.

O alemão da Ferrari chegou a 128 pontos e não pode mais ser ultrapassado por seu companheiro de equipe, Barrichello, o único piloto que ainda ameaçava o hepta. O brasileiro tem 88 e poderia, no máximo, empatar com Schumacher em pontos, mas perderia por ter vencido menos na temporada. O campeão mundial acumula 12 vitórias e o vice-líder, nenhuma.

O brasileiro Felipe Massa, da Sauber, terminou em quarto lugar, seu melhor resultado na carreira. Completaram a zona de pontuação Giancarlo Fisichella, também da Sauber, em quinto; Christian Klien, da Jaguar, em sexto; David Coulthard, da McLaren, em sétimo; e Olivier Panis, da Toyota, em oitavo. Os outros dois brasileiros estiveram perto de marcar pontos: Antonio Pizzonia, da Williams, chegou a liderar a prova e abandonou na 32.ª volta, quando estava em terceiro; e Ricardo Zonta era o quarto colocado quando teve problemas na sua Toyota, a duas voltas do fim.