O gabinete de uma vereadora de Pinhais, região metropolitana de Curitiba, é alvo da Operação Fake Address da Polícia Federal (PF) nesta quarta-feira (14), que investiga fraude eleitoral. Segundo a PF, assessores da vereadora Jane Carteira (Pros), que é candidata à reeleição, estariam envolvidos com pedidos de transferência de domicílio irregulares de títulos de eleitores. Há também indícios de que multas de eleitores com situação irregular foram pagas pelos investigados.

A operação cumpre quatro mandados de busca e apreensão na investigação que apura ao menos 75 títulos de eleitores que teriam sido transferidos para Pinhais com o uso de comprovantes de endereço falsificados.

LEIA MAIS – Voto é obrigatório em 2020 mesmo pra quem é do grupo de risco para a covid-19

Por causa da pandemia do novo coronavírus, as solicitações de transferência de domicílio eleitoral foram recebidas pela Justiça Eleitoral exclusivamente por meio de sistema eletrônico, o Tìtulo Net. O juízo da 188ª Zona Eleitoral de Pinhais detectou que ao menos 75 dos pedidos foram feitos utilizando documentação falsa. De acordo com a PF, há evidências de que a estrutura da Câmara Municipal de Pinhais foi utilizada para cometimento do crime.

A Gazeta do Povo tentou contato com o gabinete da vereadora Jane Carteira na manhã desta quarta-feira (14), mas as chamadas não foram atendidas. A reportagem tenta contato com a defesa da parlamentar.

VIU ESSA? – Câmara de Curitiba encaminha homenagem à menina Rachel Genofre, morta brutalmente em 2008

Em nota, a Câmara de Pinhais afirma que “desconhece o uso de sua estrutura para o cometimento de qualquer tipo de fraude eleitoral” e que irá apurar “possíveis irregularidades e responsabilidades”.

Confira o texto da Câmara na íntegra:

A Câmara Municipal de Pinhais vem a público informar, em resposta a matéria veiculada em 14 de outubro de 2020, que o mandato de busca e apreensão cumprido no gabinete de uma vereadora é um caso isolado e que desconhece o uso de sua estrutura para o cometimento de qualquer tipo de fraude eleitoral. A Câmara informa ainda que os equipamentos utilizados nos gabinetes são de responsabilidade dos vereadores. Diante dos fatos divulgados irá apurar possíveis irregularidades e responsabilidades.