A versão oficial escrita por Mario Celso Petraglia transformou-se em uma cartilha que todos no Caju estão obrigados a decorar. Os fracassos do Athletico no Brasileirão seriam temporários, por ser essa que se afirma ser uma fase de reestruturação, também, temporária. A versão é um disfarce, é um engano.

Mas, se a versão oficial tivesse pelo menos uma aparência de verdade, a situação do Athletico seria, ainda, mais grave. Seria a prova de que Petraglia, não podendo mais enganar a torcida, passou a enganar a si próprio, por teimar em acreditar de que as conquistas dependem só de uma estrutura material (dinheiro), e não de idéias. 

O implante do sistema vitorioso na Copa Sul Americana e Copa do Brasil foi de autoria de Paulo Autuori, que o ensinou à sua criatura Tiago Nunes. Com Tiago, foram embora as ideias e a capacidade de executá-las, ficando só a matéria. Foi Tiago que amadureceu a geração excepcional de Léo Pereira, Bruno Guimarães e Renan Lodi. 

Se é verdade que o Athletico está em reestruturação, o perigo de incentivar esse retrocesso até a Segundona, será incontrolável. Não há como implementá-la, sem ideias e sem capacidade para tratar do futebol.

Os fatos são inflexíveis. A prova está no de que passados 8 meses, gastos R$ 20 milhões e compromissado a gastar outros tantos com contratos com Marquinhos Gabriel, Carlos Eduardo, Aguillar e Richard, o Furacão não tem técnico e não tem time. E, se não bastasse, a nova geração sub-23 que está aí é de jovens comuns, que estão sendo vitimados pela incapacidade de gerência do futebol rubro-negro.

As obrigações do Athletico em 2020

No início do ano, escrevi que o Athletico, depois de conquistar a Sul Americana e a Copa do Brasil, só teria duas obrigações em 2020: pagar a dívida da Baixada e não ser rebaixado no Brasileirão.

A Baixada não pagou e não adota nenhuma providência que estanque a remuneração da dívida junto a Paraná Fomento. Por mês, pela incidência dos encargos judiciais, o custo médio desse dinheiro é de 6 milhões de reais.

Esse é o grande problema do Athletico. Petraglia resolveu enganar a si próprio.