Dependendo do grau em que está a doença,
pode ser desenvolvido diferentes tipos de treino.

A musculação produz estímulos que fazem com que os ossos absorvam melhor o cálcio, contribuindo para a boa formação da massa óssea. Com isso ficam mais fortes, prevenindo o aparecimento da osteoporose.

A osteoporose é uma doença que se caracteriza por uma diminuição da massa óssea. Atinge, em sua maioria, mulheres após a menopausa. As causas são diversas, podem ser desde desequilíbrio hormonal, falta de cálcio na alimentação até hereditariedade e sedentarismo.
“A atividade física praticada regularmente funciona como estímulo para o sistema esquelético que como resposta à contração muscular promove o aumento ou manutenção da massa óssea. Por isso a musculação é a atividade mais indicada”, alerta a fisioterapeuta Fernanda Alessandra Silva. Sendo detectada a osteoporose, o instrutor da academia deve ser comunicado para que seja feito um programa específico. “Na academia desenvolvem-se diferentes tipos de treino, dependendo do grau em que está a doença”, explica o professor de Educação Física e instrutor de musculação, Fernando Serra.

A imobilidade total leva a uma rápida perda óssea, enquanto os exercícios que utilizam o peso do corpo aumentam a massa óssea, especialmente em crianças e adolescentes. Em pessoas idosas, o exercício desacelera a perda óssea que ocorre com a idade e melhora as condições gerais do estado físico, reduzindo o risco de quedas.