A polícia investiga se a morte de homem, na frente de outros familiares, tem relação com o assassinato de um soldado da Polícia Militar. O filho de Advaldo Aparecido Barrada de Abreu, 47 anos, foi preso domingo (18), suspeito de ter participado do assalto em que o policial foi morto.

A casa, na Rua Capitão Thomaz Carvalho de Camargo, bairro Cidade Jardim, em São José dos Pinhais, foi invadida por três mascarados na madrugada de sexta-feira (23). O trio forçava a porta, quando o homem foi ver o que estava acontecendo e foi agarrado por dois deles. O terceiro entrou empurrando a mulher de Advaldo para outro cômodo, onde estava a nora e o neto do casal. Mesmo assim, a execução foi presenciada pela família.

Bar

Advaldo foi assassinado com um tiro na cabeça e outro nas costas. O corpo ficou em frente ao bar que a vítima manteve por quase 20 anos. Os bandidos verificaram se não havia mais nenhum homem na casa e, vendo apenas as mulheres e a criança, foram embora. A mulher de Advaldo foi ouvida na delegacia local e disse que os assassinos fugiram em um veículo, mas não soube dizer qual. Ela afirmou para os policiais que o marido não tinha dívidas nem desavenças com ninguém. A polícia também não informa se ela suspeita de alguma vingança contra o filho Leandro Marques Barrada, 27.

Assalto

Leandro foi preso no domingo à tarde por participar do assalto que terminou com a morte do soldado João Edgar Fernandes, 37, a uma loja de autopeças, no Umbará, cometido no sábado. Leandro foi preso na casa onde o pai foi morto.

Os policiais o localizaram pelas imagens do carro usado no crime, registradas pelas câmeras de segurança da loja. O Palio escuro, pertencia a Leandro. Testemunhas o reconheceram como um dos assaltantes e, segundo o delegado Matheus Layola, da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), vítimas de outro assalto, no Bacacheri, semanas atrás, também o reconheceram como criminoso. O comparsa dele no assassinato do soldado, identificado como Weverton Moreira Vital, 27, continua foragido.

No sábado, eles chegaram até a loja e após anunciar o assalto, o PM teria levado a mão à cintura para pegar sua arma. Neste momento, foi baleado na cabeça e morreu antes da chegada do socorro. Ainda não ficou esclarecido qual dos dois atirou no policial.