O policial militar Fábio Skora Santos Bueno, 31 anos, foi assassinado com um tiro na cabeça, por volta das 5h de ontem, no estacionamento da casa noturna Rancho Brasil, na Avenida Comendador Franco (Avenida das Torres), no Uberaba. O autor do disparo já foi identificado e era colega de farda da vítima. Trata-se de Marcelo Silva Alves, 30, lotado na Central de Operações Policias Militares (Copom). Pelas filmagens do circuito de segurança do estabelecimento, é possível ver que Marcelo agrediu uma mulher, no estacionamento, e atirou para o alto.Diante da cena, Fábio sacou sua arma e se identificou como policial militar. Marcelo também afirmou ser policial, fazendo com que a vítima abaixasse a arma. Em seguida, atirou com uma pistola calibre 45 milímetros e acertou o lado esquerdo da cabeça de Fábio, próximo à orelha.

Como o corpo da vítima estava travando a passagem do Voyage do atirador, placa AMG-0027, ele o arrastou para abrir caminho. “Foi nesta cena que percebemos se tratar de alguém acostumado a mexer com morto”, observou o delegado Rubens Recalcatti, da Delegacia de Homicídios.

Procurado

Ao meio-dia, já se conhecia a identidade do assassino, graças a um trabalho conjunto entre as polícias Militar e Civil. Entretanto, Marcelo fugiu e não foi encontrado. Ao buscar o atirador na casa, os investigadores encontraram droga, carregadores de pistola, balança de precisão e uma garrucha. A arma do crime não foi achada.

A polícia confirmou que Marcelo não poderia estar armado, por decisão judicial, mas o motivo não foi revelado. Ano passado, ele foi denunciado por efetuar disparos em via pública, no bairro Atuba, e vinha exercendo atividades administrativas na corporação.

A PM informou que pediu o mandado de prisão de Marcelo, pelo homicídio, mas que o juiz só deve se manifestar hoje. Além disso, foram instaurados inquéritos na DH e na Polícia Militar.