Policiais civis da Delegacia da Mulher de Curitiba prenderam, na quarta-feira (02), um motociclista que aproveitou a cidade vazia para assistir a estreia da seleção brasileira na Copa do Mundo, dia 12 do mês passado, e violentou uma mulher na Cidade Industrial de Curitiba (CIC).

“Além desta vítima, outras duas mulheres que sofreram tentativa de estupro reconheceram Scherlon do Rocio Matsen, 27 anos”, contou a delegada-titular da Delegacia da Mulher, Daniela Corrêa Antunes Andrade.

Segundo a delegada, após a denúncia feita pela vítima do dia 12, foi confeccionado um retrato falado do motociclista, que usava aliança na mão esquerda e tinha uma cicatriz na mão.

“Apesar de o retrato falado ser de capacete, uma mulher que também sofreu uma tentativa de estupro, também na CIC, reconheceu o olhar do estuprador. Ela foi na delegacia e nos ajudou a confeccionar outro retrato falado, desta vez com o rosto inteiro”, contou a delegada.

O modus operandi do estuprador era sempre o mesmo. Em sua moto cinza e preta, ele abordava as mulheres na rua dizendo precisar de uma informação. Aí ele mostrava algo na cintura dando a entender que estava armado, colocava a mulher na garupa e a levava para um local isolado, onde a estuprava.

“A vítima do dia 12 era de compleição física fraca e não teve como resistir. A outra vítima era maior e conseguiu evitar o crime. Nesta tentativa, ao pedir a informação, o homem chegou a tirar o capacete”, contou a delegada.

Com as informações da segunda vítima e o segundo retrato falado, os policiais identificaram três ruas onde possivelmente o estuprador moraria. Na noite da última terça-feira (1.º), o marginal voltou a agir, desta vez no bairro Cachoeira. A vítima conseguiu fugir antes de ser violentada.

“Uma denúncia anônima com o número de placa da moto chegou até a Delegacia Eletrônica (www.delegacieletronica.pr.gov.br). Identificamos o veículo, que tinha como proprietário justamente o morador de uma daquelas três ruas”, contou a delegada.

A equipe da DM foi até a casa, encontrou a moto e prendeu Matsen, que já tinha contra si um mandado de prisão em aberto por roubo e receptação, expedido pela Justiça a pedido da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV). “Ele já havia cumprido seis anos de prisão em regime fechado anteriormente por roubo”, contou a delegada.

Daniela salientou que através do comerciante que denunciou o número da placa, os policiais chegaram até a terceira vítima, que foi levada até a delegacia e também reconheceu Matsen.

“As três vítimas o reconheceram. Além disso, temos outras evidências. Por isso, pedimos e conseguimos junto ao plantão do Judiciário outro mandado de prisão contra ele, desta vez por um estupro e duas tentativas de estupro”, contou a delegada.