A morte de Gilmar Sanvidote, 27 anos, está envolta em mistério. Ele foi assassinado a tiros na noite de terça-feira, ao lado de uma panificadora, na esquina das Ruas Januário Alves de Souza e Doutor Bley Zornig, no Boqueirão, por volta das 21h40.

Moradores da rua contaram aos investigadores Edson e Lima, da Delegacia de Homicídios, que ouviram uma discussão na esquina. Logo depois, escutaram cinco tiros e uma moto saindo em alta velocidade do local.

Pelo que apurou a investigação, Gilmar estava parado com a moto, uma Honda Broz placa APG-4576 (Almirante Tamandaré) ao lado da panificadora, quando provavelmente foi abordado pelos assassinos.

A polícia não acredita em assalto, pois a moto não foi levada e ficou da mesma forma que Gilmar a estacionou. Como o veículo estava estacionado na rua, os investigadores suspeitam que a vítima e seus assassinos estivessem juntos no local.

Ao lado da moto ficou caído um capacete e um celular. A polícia não sabe se o telefone pertence à vítima e o enviou para perícia. A cerca de 50 metros do local do crime a polícia ainda encontrou cinco cápsulas calibre 38 deflagradas e mais uma intacta. Supõe-se que, enquanto o piloto da moto fugia, o garupa possível atirador abriu o revólver e deixou cair as cápsulas.

Parentes e amigos do homem assassinado deverão ser ouvidos na delegacia, para auxiliar nas investigações. Através das pessoas com quem ele tinha contato poderá se chegar a alguma pista dos matadores.