Ocupantes de um carro e de uma moto
seriam autores do assassinato de Edinaldo.

No caminho para casa, Edinaldo José da Silva, 24 anos, foi executado com sete tiros, quando passava pela Rua Walter Jorge de Paiva, Marumbi I, Uberaba, às 22h20 de segunda-feira. Pelas primeiras informações levantadas pela polícia, ele teria sido “cercado” por um carro e uma motocicleta, mas os veículos não foram identificados. Os policiais Rommel e Schumann, da Delegacia de Homicídios, ouviram algumas pessoas para definir a linha de investigação.

Edinaldo era soldador e fazia um curso de aperfeiçoamento no Senai (Jardim Botânico), depois de sair do emprego, às 17h30. Segundo apurado pelos soldados Fagundes e Valim, do Regimento de Polícia Montada -RPMont, ele desceu do ônibus e caminhava em direção à Rua das Tangerinas, onde morava com a esposa, quando foi atacado. “Os moradores disseram ter ouvido cerca de seis tiros e, em seguida, um veículo arrancar em alta velocidade”, relatou Fagundes. “Ninguém soube precisar o modelo ou a cor do carro”, completou.

Execução

As marcas dos pneus do carro ficaram impressas na areia, próximo ao corpo do jovem. A perita Vera, do Instituto de Criminalística, verificou, em avaliação preliminar, que seis tiros atingiram a cabeça e um o ombro de Edinaldo. “Encontramos um projétil blindado, provavelmente de uma pistola”, registrou. Acredita-se que o carro tenha parado ao lado do rapaz e um dos ocupantes do veículo atirado. Uma motocicleta também foi vista no local, mas não se tem certeza de sua participação no homicídio. “Pode ser que os veículos tenham vindo um de cada lado da rua e cercado a vítima”, comentou o investigador Schumann.

O irmão de Edinaldo disse que ele não se metia em confusões nem era usuário de drogas. “Não sei o que aconteceu”, lamentava. A carteira e o relógio da vítima permaneciam com ela, o que descarta, em princípio, a hipótese de latrocínio. O caso está sendo investigado pela DH.