A desembargadora Sônia Regina de Castro, da 3.ª Câmara da Vara Criminal do Tribunal de Justiça, deve decidir amanhã se concede ou não habeas corpus a Juarez Ferreira Pinto, 42 anos, preso há quatro meses, acusado de matar Osíris Del Corso e balear e molestar a namorada dele, Monik Pegorari Lima, no Morro do Boi, em Matinhos, em 31 de janeiro.

O pedido do direito a liberdade foi protocolado no TJ pelos advogados de defesa de Juarez, após Paulo Delci Unfried, 32, confessar ser o autor do crime, na última terça-feira. Juarez permanece preso na Casa de Custódia de Curitiba. Paulo, desde sexta-feira, encontra-se recolhido no Centro de Triagem II, em Piraquara.

As promotoras Carolina Dias Aidar de Oliveira e Fernanda Maria Motta Ribas, do Ministério Público, informaram que só devem voltar a se pronunciar sobre o caso após encerradas todas as diligências necessárias para o esclarecimento do crime. Elas deverão acompanhar, no dia 23 de julho, no Fórum de Matinhos, a acareação entre Monik e Paulo, o novo acusado, que confessou o crime.

As duas já tomaram o depoimento de Paulo. A leitura da confissão foi acompanhada pelo delegado que comandou as operações, Luiz Alberto Cartaxo Moura, chefe da Divisão Policial do Interior (DPI). O trabalho não durou mais de uma hora.

O caso segue sob sigilo temporário, decretado pelo juiz de Matinhos. Porém, nesta semana, as promotoras devem pedir novas oitivas para o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do MP, designado especialmente para acompanhar o caso. A reconstituição do crime, com base na versão de Paulo, será feita.