Anderson Tozato
Rafael, preso por testemunhas.

Dois bandidos e um cão mortos a tiros foi o resultado da tentativa de assalto ocorrida na noite de sexta-feira, na Rua Thomaz Waltesteimer, no Portão.

Um terceiro indivíduo foi capturado com a ajuda de testemunhas e outros dois conseguiram escapar.

Os criminosos pretendiam levar o Corsa pertencente a um advogado, mas tiveram a ação frustrada pelo investigador Luiz Eraldo, da Delegacia de Furtos e Roubos. O tiroteio aconteceu na frente da casa do policial.

De acordo com o que foi informado pelas vítimas, o advogado – que não quis se identificar – foi visitar o policial, por volta das 22h30, para uma conversa profissional – também não disse qual era o assunto.

Ele parou o carro na rua e entrou na casa de Luiz Eraldo, deixando sua mulher e o cachorro de estimação – um Pintcher – dentro do veículo.

Sabendo do risco que a mulher corria por ficar sozinha, à noite, dentro de um carro estacionado, o investigador tratou de convidá-la a entrar em sua casa. O advogado então saiu para buscar a mulher. Ela e o marido já atravessavam a rua para entrar na casa, quando surgiram dois dos assaltantes, que vinham correndo em direção ao Corsa, disparando tiros e gritando para que o proprietário entregasse a chave. O advogado entregou e eles imediatamente entraram no carro.

Ouvindo a confusão, Luiz Eraldo apanhou seu revólver e saiu em defesa do casal. Houve troca de tiros. A casa e o Corsa ficaram perfurados de balas, e o assaltante que permaneceu no veículo foi mortalmente ferido. O outro conseguiu fugir abaixo de balas.

Ajuda

Em seguida o policial civil pediu apoio da Polícia Militar e em poucos minutos o bairro estava cercado por viaturas. Com o cerco, o segundo bandido foi encontrado no quintal de uma casa, a duas quadras de onde ocorreu a tentativa do roubo. Neste quintal, segundo a polícia, aconteceu nova troca de tiros. Ferido, o criminoso, assim como seu cúmplice, foi levado ao Hospital do Trabalhador, onde ambos morreram. No bolso da calça do sujeito baleado por PMs foi encontrada a chave do Corsa do advogado. Até a noite de ontem, os corpos dos dois indivíduos permaneciam sem identificação no necrotério do Instituto Médico Legal.

Pessoas que estavam em um bar, na esquina próxima ao local do primeiro tiroteio, testemunharam o fato e perceberam que um rapaz, que dava cobertura aos ladrões, saiu correndo. O servente de pedreiro Rafael Antônio Ferreira do Nascimento, o "Rafaelzinho", 18 anos, foi detido pelos próprios freqüentadores do bar e entregue à polícia.

Segundo o delegado Rubens Recalcatti, da Delegacia de Furtos e Roubos, outros dois comparsas também estavam envolvidos na tentativa de roubo, porém conseguiram escapar. O advogado explicou que tudo foi tão rápido, que não conseguia lembrar sequer das roupas que os bandidos usavam. Um revólver calibre 38, pertencente ao bandido baleado dentro do Corsa, foi encontrado pela perícia criminal no chão do carro. Outras duas armas, um revólver e uma pistola, também foram apreendidas com os ladrões.

Dívida de crack

Rafael, o assaltante capturado, contou na delegacia que o roubo foi planejado por causa de uma dívida de crack, feita ainda na manhã de sexta-feira. Usuário, ele comprou algumas pedras de um dos bandidos que cometeu o assalto e não tinha como saldar a dívida. Então os ladrões propuseram que Rafael os ajudasse a roubar um carro, para quitar a dívida. Ele informou que os dois assaltantes mortos seriam "patrões" do tráfico em São José dos Pinhais.