Anderson Tozato
Magdalena foi assassinada dentro de casa.

Sem piedade, a aposentada Magdalena Cordeiro Bernardino, 63 anos, foi morta, por volta de 17h30 de sexta-feira, na casa onde morava, na Rua Pedro Klass, Jardim Maria Antonieta, em Pinhais. Ela foi esganada e agredida no rosto. O principal suspeito do crime – José Carlos Martins, 26 -, foi preso quando saía da casa da vítima. Em seu bolso foi encontrada uma carteira que a filha de Magdalena reconheceu como sendo dela. Ele negou a prática do homicídio, mas foi encaminhado à delegacia de Pinhais, onde ficou recolhido.

Magdalena morava na casa de esquina, de propriedade do seu genro. Na casa ao lado mora um casal, cujo marido é policial militar e, na outra casa moram José Carlos e a mulher dele. A vítima morava sozinha e, segundo o acusado, ela o chamou para combinar o preço de um serviço. ?Ela queria que eu calfinasse a casa; enquanto conversávamos, ela teve um ?piripaque? e caiu com o rosto na pia.

Eu tentei socorrê-la e quando ia sair para buscar ajuda a polícia já estava chegando na casa?, disse José Carlos.

Quem acionou a polícia foi a vizinha, mulher do policial. Ela viu a aposentada sendo agredida e procurou ajuda. ?Quando chegamos ele estava assustado e logo em seguida vimos que a mulher estava caída. No bolso do Luiz encontramos uma bolsa pequena, que a filha da vítima reconheceu como sendo dela?, explicou o soldado Gilson, do 17.º Batalhão. Segundo ele, além das evidências que incriminam José Carlos, ele tinha marcas de unhas no pescoço.

Relação afetiva

O genro de Magdalena disse que ela era viúva há mais de oito anos e morava sozinha. Algumas pessoas que se aglomeravam em frente à pequena casa levantaram a hipótese de Luiz e Magdalena estarem tendo um caso amoroso e ele ter ido na residência para um encontro.

O motivo da morte seria um desentendimento entre os dois.

Outra hipótese levantada é de que Luiz havia tentado praticar violência sexual contra Magdalena, que reagiu e inclusive o marcou com as unhas no pescoço. ?São hipóteses que serão investigadas pela Polícia Civil?, completou o policial.