Por lei, o transporte intermunicipal de passageiros, no Paraná, só pode ser feito por empresas e veículos registrados no Departamento de Estradas e Rodagem (DER-PR). Entretanto, o transporte clandestino, também chamado ?pirata?, se faz bastante presente.

Segundo o presidente da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros dos Estados do Paraná e Santa Catarina (Fepasc), Marco Antônio Gulin, não existem números precisos sobre a quantidade de vans e ônibus que trabalham com transporte de passageiro sem serem registrados.

Esses veículos, porém, atuam tanto na área de turismo quanto na de transporte escolar e de trabalhadores, gerando uma série de transtornos.
Marco informa que o transporte clandestino, geralmente é mais barato que o regular, mas não oferece qualquer tipo de segurança aos usuários. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)