Brasília ? Os técnicos da Receita Federal que trabalham no Distrito Federal decidiram, esta manhã, continuar a greve até 22 de outubro. A categoria está parada, desde 19 de setembro, em protesto contra a Medida Provisória 258. A MP cria a Receita Federal do Brasil, conhecida como Super Receita, a partira da unificação das secretarias da Receita Federal, ligada ao Ministério da Fazenda, e Receita Previdenciária, ligada ao Ministério da Previdência.

"Buscamos a alteração da MP, a fim de que defina as atribuições dos técnicos da Receita. Hoje, estas atribuições são vagas. Não sabemos quais são as nossas atribuições", disse João Caputo, presidente do Conselho Estadual de Delegados Sindicais do Estado do Paraná.

Caputo afirmou que a categoria quer ainda que o seu cargo, que hoje exige nível superior, seja reconhecido como tal. Ele e outros 50 representantes de todo o Brasil estão em Brasília para conversar com parlamentares e exercer pressão para a aprovação de emendas ao texto. A assessoria de imprensa da Receita Federal informou que não se pronuncia sobre a greve.

Ao todo 6.500 profissionais passam por assembléia em todo o Brasil e a decisão precisa ser consolidada nos estados para que haja um resultado nacional.

A tendência, segundo Caputo, é que em todas as delegacias a decisão seja pela paralisação até a data decidida em Brasília. Segundo a assessoria de imprensa do Sindicato Nacional dos Técnicos da Receita Federal (Sindireceita), o resultado deve ser divulgado no fim da tarde.

João Caputo disse que as assembléias acontecem porque as reivindicações da categoria não foram atendidas. Em agosto, os técnicos chegaram a suspender a greve em função de um acordo com o ministro da Fazenda, Antônio Palocci.