Brasília – O Supremo Tribunal Federal (STF) negou o pedido de habeas corpus em favor de Vitalmiro Bastos de Moura, um dos acusados de ser mandante do assassinato da missionária Dorothy Stang, em fevereiro de 2005, no Pará.

A defesa de Vitalmiro entrou com um pedido de liminar para que ele respondesse ao processo em liberdade, e que fosse suspensa a prisão preventiva, decretada ainda em 2005. O relator do processo, ministro Cezar Peluso, votou contra o habeas corpus alegando que a prisão foi feita porque Valtomiro fugiu e teria ameaçado testemunhas do caso.

Dorothy Stang foi morta no município de Anapu, no sudoeste do Pará. A missionária norte-americana trabalhava com a Pastoral da Terra e comandava o Projeto de Desenvolvimento Sustentado em uma área autorizada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).