Suspeito de homicídio, o frentista Marcos Vinícius Pereira, 25 anos, foi preso durante interrogatório na última sexta-feira (26), em cumprimento de um mandado de prisão temporária, convertido em prisão preventiva. Ele é acusado de matar o amigo e também frentista Messias Moreira Roque, que teria feito piadas com uma suposta traição conjugal da mulher do suspeito. O interrogatório ocorreu na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), em Curitiba. Os detalhes da prisão foram revelados pela Polícia Civil na tarde desta quinta-feira (1).

+Leia também: Trio trapalhão que derrubou arma em assalto é preso pela polícia. Assista!

Segundo o delegado Tito Lívio Barrichello, da DHPP, Marcos Vinícius deve responder por homicídio qualificado por motivo fútil. A pena pode variar de 12 a 30 anos de prisão. “Ele bebia cerveja com a vítima, na própria casa dele, até que o amigo ficou sabendo da traição. Segundo o depoimento do acusado, a vítima tirou sarro da situação, dizendo que, nas palavras dele, se soubesse que era fácil teria pedido o Whatsapp da mulher”, explicou Barrichello.

O crime ocorreu no dia 17 de junho deste ano, no Uberaba, em Curitiba, por volta das 17h30. Na ocasião, o suspeito teria dado pelo três facadas em Roque, já no lado de fora da casa. Câmeras de segurança instaladas nas proximidades do local do crime registraram o momento em que o suspeito golpeia a vítima, atingindo-o na região do coração.

+ Atenção! Você está a um clique de ficar por dentro do que acontece em Curitiba e Região Metropolitana. Tudo sobre futebolentretenimentohoróscopo, blogs exclusivos e os Caçadores de Notícias, com histórias emocionantes e grandes reportagens. Vem com a gente!

Marcos Vinícius não tinha antecedentes criminais. O suspeito e a vítima são naturais de Minas Gerais. Durante interrogatório, Marcos confessou o crime.

Na delegacia, nesta tarde, Marcos Vinícius diz ter agido em defesa da honra, alegando que a vítima o chamou para a briga do lado de fora da casa. Segundo ele, a faca estava, no quintal, em um telhadinho onde era de costume guardar capacetes de moto. “Eu peguei a faca pensando em me proteger. Um dia antes, eu comi laranja e sabia que a faca estava ali. Na hora, agi sob forte emoção”, disse ele.

O suspeito encontra-se preso à disposição da Justiça.

Ex-detento muda de vida e conta tudo pra Tribuna