A novela envolvendo a contratação do atacante Dagoberto, do Atlético, pode acabar a qualquer momento. Ontem, os advogados do jogador conseguiram uma liminar da juíza relatora no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-PR), Rosemarie Diedrichs Pimpão, que permite o depósito em juízo do valor da multa rescisória – cerca de R$ 5 milhões. Com isso, ele ficaria com o caminho livre para acertar com o São Paulo.

"A juíza já autorizou o depósito. Vamos fazer isso para que ele jogue em outro lugar", confirmou o empresário de Dagoberto, Naor Malaquias.

A notícia repercutiu rapidamente no São Paulo, e o vice-presidente de futebol do clube, Carlos Augusto Barros e Silva, não escondeu o entusiasmo. "Não tenho informação segura se a multa já foi depositada. Mas quem sabe ele não é apresentado amanhã?", disse o dirigente, cheio de mistério.

O clube paranaense ainda briga na Justiça para tentar prorrogar o contrato de Dagoberto até o fim do ano para que a multa volte a ser de mais de R$ 16 milhões. A diretoria são-paulina, porém, tem certeza de que isso não acontecerá.