O líder do PFL na Câmara, deputado Rodrigo Maia (RJ), começou a consultar os deputados de sua bancada sobre a posição que levará na reunião, marcada para as 17 horas, das Mesas da Câmara e do Senado, com os colégios de líderes das duas Casas, sobre o aumento salarial dos parlamentares. De acordo com Maia, os deputados devem avaliar com cuidado a pressão da opinião pública antes de decidir a questão salarial, que poderá, segundo ele, ser zero de reajuste. "De repente, o colégio de líderes pode decidir por um congelamento dos salários por 4 anos", disse Maia.

"Pode ser que a sociedade esteja querendo dizer que não aceita nenhum tipo de aumento de despesa. Vou ouvir a bancada", continuou o líder. Maia lembrou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou o aumento para o Poder Judiciário que terá um impacto de R$ 5 bilhões nas contas públicas e considerou desproporcional a pressão da opinião pública sobre os Poderes Judiciário e Legislativo. No Congresso, há um entendimento de que não há repercussão na opinião pública quando o aumento se refere ao Poder Judiciário, enquanto que o aumento no Legislativo, mesmo com impacto menor, é combatido pela sociedade.