Brasília (AE) – O presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (PE), cobrou uma explicação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a denúncia publicada em reportagem da edição deste fim de semana da revista "Veja", de que a campanha presidencial do PT, em 2002, teria recebido US$ 3 milhões do governo e Cuba.

"Nessa denúncia o Lula não pode se omitir para o bem da democracia. Espero que isso não seja verdade. Mas se for, é muito grave", disse Freire, em nota distribuída pela direção do PPS.

Segundo a revista, o dinheiro teria sido remetido a Brasília e depois levado a São Paulo por Vladimir Poleto, que assessorou o atual ministro da Fazenda, Antonio Palocci, quando ele era prefeito de Ribeirão Preto.

De acordo com Freire, Lula precisa se explicar "até para não assanhar os setores da direita que, baseados nessa denúncia, podem exigir a cassação do registro do PT". O deputado diz que não deseja o cancelamento do registro do PT. "Não podemos entrar nisso. O PT não deve receber a aprovação popular, mas o PPS não entrará nessa história de cassar registro", afirmou.

Para o governador do Mato Grosso, Blairo Maggi (PPS), o caso deve ser investigado pela Justiça. "Se a lei proíbe o financiamento externo de campanha e isso pode resultar em cassação do registro, a Justiça tem que investigar. Se for provado, é preciso cumprir a lei", afirmou o governador, ainda de acordo com a nota do PPS.