O relator da medida provisória que altera a cobrança da Cofins, Jamil Murad (PCdoB-SP), admitiu rever a alíquota ou ?aliviar a área de serviços? no seu relatório, que deverá ser apresentado para votação na próxima terça-feira ou quarta-feira. A medida provisória editada pelo governo no dia 31 de outubro elevou a alíquota da Cofins de 3% para 7,6%.

?Temos dois caminhos: diminuir a alíquota ou aliviar a área de serviços. Eu como relator jogo com os dois fatores até o último momento. Não posso jogar só com uma peça porque eu perco o outro pé e desequilibro. Eu tenho que jogar com o problema da alíquota e o problema de aliviar os setores atingidos?, disse, sensível ao apelo dos empresários que estiveram reunidos ontem com o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid para discutir o assunto.

Ele considerou ainda a possibilidade de fazer ?um mix? das duas alternativas. Diante da insistência do governo de que não pode mexer na alíquota da Cofins, Murad afirmou que ?aliviar os serviços? talvez seja a alternativa mais viável. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)