Brasília – O projeto de lei que altera as normas para fixação do teto do benefício auxílio-doença foi retirado do plenário do Senado e devolvido à Comissão de Assuntos Sociais (CAS) para uma análise mais detalhada. A medida atendeu a uma das principais reivindicações de representantes das sete centrais sindicais que estiveram no Senado nesta terça-feira (6) à tarde.

Os sindicalistas, que estiveram com o senador Paulo Paim (PT-RS), reivindicavam o apoio dos senadores para rejeitar o projeto de lei no plenário, mas o relator da proposta, senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo, concordou em retirar o projeto da pauta e encaminhá-lo de volta à CAS.

Segundo Paulo Paim, o senador Romero Jucá ?ficou sensibilizado pela reivindicação dos representantes das centrais sindicais e disse que concordaria em alterar o projeto original, se esse for o resultado de acordo e entendimento entre o governo e os sindicalistas?.

Paulo Paim disse que os representantes das centrais sindicais consideram a proposta ?prejudicial aos interesses dos trabalhadores e a retirada de um direito adquirido?, que pode significar perdas de até 50% no valor do auxílio-doença, ao modificar o cálculo desse benefício, hoje feito em cima dos salários de 80 meses, para apenas os últimos 12 meses, que não levaria em conta a grande rotatividade dos trabalhadores no mercado de trabalho.

Os sindicalistas propuseram ao senador Paulo Paim que leve a discussão do projeto para o Fórum Nacional da Previdência ? que será instalado amanhã (7) – , e reúne empresários, trabalhadores e governo.

Paim informou que apresentou requerimento, no Senado, de criação de uma Comissão Especial que, no âmbito do Legislativo, irá acompanhar os trabalhos e decisões do Fórum.