Brasília ? O Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Básica e Profissional (Sinasefe) decidiu manter greve nacional iniciada em 17 de maio. O sindicato representa cerca de 25 mil profissionais da educação de escolas técnicas, agrotécnicas, dos Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets) e escola Dom Pedro II do Rio de Janeiro.

De acordo com um dos coordenadores do Sinasefe William Carvalho cerca de 70% dos trabalhadores estão paralisados, entre professores e técnicos. A plenária do Sinasefe foi realizada ontem (3).

Carvalho pede que o acordo assinado pelo governo no final do ano passado seja cumprido para todas as categorias. Segundo ele, os professores chegaram a ser atendidos por meio de Medida Provisória (MP), que concede reajuste aos docentes. Mas o coordenador ainda tem receio, pois a MP ainda não foi votada no Congresso Nacional.

Já para os técnico-administrativos a situação é mais difícil. Segundo Carvalho, foi acordado que esses profissionais teriam capacitação e qualificação retroativa para janeiro de 2006. No entanto, ele disse que o governo pretende pagar o reajuste de qualificação a partir de julho. "Cumprimos nossa parte do acordo e queremos que o governo cumpra a dele", afirmou.