O lago do parque Barigüi fica mais limpo a cada dia. Com a obra de desassoreamento saem diariamente do lago 60 toneladas de lodo. Até agora foram retirados 1.300 toneladas de material. O desassoreamento do lago do parque faz parte da proposta de Revitalização da Bacia do Rio Barigüi, lançada pelo Prefeito Beto Richa no Dia Internacional da Água (22 de março).

O desassoreamento do Barigüi teve início na primeira semana de março e será concluído em julho. Na dragagem do lago do Barigüi a Prefeitura está usando uma nova tecnologia para disposição do lodo. "Buscamos o que tinha de melhor para evitar problemas, pois o parque é uma das áreas de lazer da cidade mais freqüentada por curitibanos e turistas", diz Richa.

O material dragado do lago do parque, que tem uma área de 230 mil metros quadrados (equivalente a 42 campos de futebol), é transportado através de uma tubulação flutuante até o local de disposição no fundo do parque. A tubulação no leito do rio evita inconvenientes aos freqüentadores do Barigüi, como sujeira e mau cheiro.

O lodo sai direto para sacos geotêxtil (tecido sintético que funciona como filtro). Em nenhuma etapa do trabalho o lodo tem contato com o solo. Dentro dos sacos, o material é tratado com sistema de floculação, que separa a parte sólida (lodo) da líquida (água).

A água limpa resultante do tratamento retorna ao rio. O sistema de floculação reduz mais de 50% o volume do material armazenado nos sacos. Desde o início da dragagem já saíram 176 toneladas de lodo e água misturados. Com a tecnologia, a parte sólida foi separada da líquida, restando até o momento nos sacos 1.300 toneladas de lodo.

Além das condições estéticas, com o desassoreamento a água do lago circulará com mais facilidade, melhorando a oxigenação no ambiente aquático. Hoje, em alguns pontos, o lago está com profundidade zero.