O prefeito de Curitiba, Luciano Ducci, afirmou que se houver indícios de irregularidades com empresa Consilux, que opera os radares na cidade, ele vai apoiar a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara Municipal de Curitiba. A proposta foi anunciada por vereadores da bancada de oposição na tarde de segunda-feira (14).

A Consilux opera os radares após ter sido escolhida mediante licitação no ano passado. “Além da apoiar a CPI, vamos tomar medidas enérgicas. Elas serão discutidas com a Procuradoria do município, com a Urbs. Vamos ser bem transparentes neste processo”, garantiu Ducci, em entrevista à rádio BandNews na manhã desta terça-feira (15).

O programa Fantástico, da Rede Globo, exibiu no último domingo uma reportagem sobre esquema de fraudes em licitações para a implantação e exploração dos radares no trânsito de diversas cidades. Na reportagem, um diretor da Consilux confirma que a empresa frauda editais, não possui critério para a instalação dos equipamentos e que ainda pode anular multas.

Diante das denúncias, os vereadores de oposição na Câmara Municipal de Curitiba fizeram a proposta pela instalação de uma CPI. A bancada alega que falta esclarecimentos sobre o contrato entre a Prefeitura de Curitiba e a Consilux. Os vereadores de oposição também protocolaram o pedido de convocação do presidente da Urbs, Marcos Isfer, para falar sobre o assunto.

Apuração

Luciano Ducci determinou a abertura de um procedimento administrativo para apurar as possíveis irregularidades no contrato com a empresa. A Consilux terá cinco dias para apresentar defesa e fazer os esclarecimentos necessários. A empresa informou, mediante nota, que não se responsabiliza pelas declarações do funcionário que aparece na reportagem. Ele foi afastado de suas funções. A Consilux comunicou que não existe qualquer possibilidade de deletar multas do sistema.

Leia mais

Oposição quer investigar contratos realizados em Curitiba