O governador eleito do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), comemorou a vitória neste segundo turno ao lado da mãe, Dona Teresa, e da mulher Márcia, no início da noite deste domingo, 26. Ele adiantou que já vai iniciar nesta semana as conversas de transição com o atual governador Agnelo Queiroz (PT). Segundo ele, a primeira medida do seu governo será “radicalizar na transparência”, com a criação de um conselho formado por entidades da sociedade civil para acompanhar os projetos e gastos do governo.

Ele afirmou que os dados dos contratos do DF serão divulgados em painéis e que abrirá a senha para acompanhamento do orçamento pela população. O governador eleito não quis adiantar os nomes do seu secretariado. “Nós não vamos aparelhar o governo. Vamos fazer um governo com metas e resultados, com pessoas qualificadas”.

Ele admitiu que já assume com dificuldades financeiras. “A situação do DF é realmente muito difícil. Existe um déficit, já assumido pelo atual governo, de R$ 2,1 bilhões. Vamos estudar na transição quais serão as medidas que nos permitirão equilibrar financeiramente o DF”.

Questionado se governará com apoio do PT, de Agnelo Queiroz, ele afirmou que aceitará a adesão ao programa de governo. “Vamos iniciar as conversas com os partidos”.

Rollemberg enfrentou no segundo turno o candidato do PR, Jofran Frejat, cujo mote da campanha foi a tarifa R$ 1,00, a chamada tarifa Frejat. O governador eleito afirmou que, na mobilidade urbana, sua principal medida será o bilhete único para o transporte público e não a redução do preço da passagem.