O relator do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, votou hoje (11) pela condenação do ex-ministro do governo Lula Anderson Adauto (Transportes) e os ex-deputados petistas João Magno (MG) e Paulo Rocha (PA) por lavagem de dinheiro.

Barbosa absolveu, por falta de provas, o ex-deputado Luiz Carlos Silva (PT-SP), conhecido como professor Luizinho, e dois ex-assessores de Rocha e de Adauto da acusação de lavagem.

Outros nove ministros precisam analisar essa parte do processo, antepenúltimo capítulo da denúncia proposta pela Procuradoria-Geral da República contra os 37 réus. Eles eram acusados de ter recebido, de forma oculta, dinheiro ilícito que era distribuído pelo empresário Marcos Valério.

Segundo Barbosa, o ex-ministro e os petistas utilizaram intermediários para que não ficasse configurado o recebimento de dinheiro proveniente de Valério, indicando que sabiam da origem ilícita dos recursos.

Segundo a denúncia, Anderson Adauto, Rocha e Magno receberam do esquema R$ 800 mil, R$ 820 mil R$ 360 mil, respectivamente. Ambos alegaram que o dinheiro era referente aos pagamentos de dívidas de campanha.

“Diversamente do que foi alegado por Adauto, os valores em questão não foram recebidos do PT, mas sim repassados pelo esquema, pelo núcleo de Valério, além disso, os repasses foram feitos mediante lavagem de dinheiro”, afirmou Barbosa.