Pré-candidatos do PPS a vereador, vice-prefeito e prefeito nas próximas eleições não poderão concorrer se não estiverem com suas obrigações partidárias em dia, avisa o secretário-geral do partido no Paraná, Rubico Camargo.

Todos eles são obrigados a fazer o curso de formação política ministrado pelo partido nos estados. “Sem o certificado de partipação no curso, o pré-candidato não poderá inscrever-se nem registrar sua candidatura junto à Justiça Eleitoral”, adverte Rubico.

Para que todos tenham a oportunidade de participar do curso ou que, por algum motivo, não puderam estar presentes naqueles já ministrados, o PPS estará organizando dois novos, em Curitiba e em Campo Mourão, no mês de junho. É a última oportunidade para obter o certificado.

Segundo o presidente do PPS no Paraná, deputado Rubens Bueno, a formação política dos pré-candidatos é essencial para a boa escolha dos eleitores. “É um compromisso dos filiados do partido com a população de suas cidades, além de ser uma obrigação vide a resolução do PPS. Não é só estar presente. Fazer o curso e receber o certificado significam que o pré-candidato está em dia com o partido”, disse ele.

A obrigatoriedade do cursos está baseada na resolução 01/2012 do PPS e abrange os filiados em todo o país. “Quem pretende burlar uma resolução do partido não pode obter mandato pois não podemos avalizar esse tipo de candidatura. Caso um candidato insista em concorrer sem ter feito o curso, iremos à Justiça impedi-lo de concorrer e poderemos até dissolver o diretório municipal que referendou a candidatura”, afirmou Rubico.

Todos os presidentes dos diretórios municipais estão recebendo um ofício circular falando sobre as novas possibilidades de fazer o curso (repescagem) e sobre as implicações da ausência dos pré-candidatos.