Foto: Evandro Monteiro/O Estado

Osmar Dias: boas relações com todos os candidatos a presidente da República.

Em Brasília, onde está para participar do esforço concentrado do Congresso Nacional, o senador Osmar Dias (PDT), candidato ao governo do Paraná, reuniu-se ontem com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no Palácio do Planalto. O senador também conversou com o ministro da Articulação Institucional, Tarso Genro, com quem fez uma avaliação das eleições no Paraná.

A conversa estava marcada desde que Lula esteve em Foz do Iguaçu, no dia 24 de agosto, quando Osmar não foi receber o presidente. No domingo passado, dia 29, o senador declarou apoio ao candidato do seu partido à presidência da República, senador Cristovam Buarque, embora receba pressões de uma ala do PSDB envolvida na sua campanha para assumir a candidatura de Geraldo Alckmin à presidência da República. Ontem, o senador pedetista justificou o encontro com com Lula como a posição de um postulante ao governo que quer manter uma relação de cooperação com todos os candidatos à presidência da República.

O candidato do PDT afirmou que é necessário fazer fluir o diálogo entre os governos estadual e federal. O senador pedetista disse a Lula que está confiante na realização de um segundo turno da eleição no Paraná. ?O presidente Lula também acredita que a eleição no Paraná será decidida no segundo turno e ficou extremamente satisfeito com a minha intenção de abrir o diálogo desde a campanha eleitoral?, declarou o senador.

Osmar disse que foi convidado por Lula a participar das atividades de sua campanha, em Colombo, no próximo sábado, dia 9, quando o presidente faz um comício na cidade. Mas o pedetista antecipou que, na mesma data, tem compromissos da sua campanha em cidades do oeste e sudoeste do Estado.

Para o senador pedetista, é necessário haver uma parceria entre os governantes, independente de posições partidárias. ?O presidente me disse que é essa a postura que espera dos candidatos porque para a solução dos problemas do país é preciso um pacto dos governantes, acima dos interesses eleitorais e das divergências partidárias?, disse o candidato do PDT.

Diversidade

O coordenador da campanha à reeleição de Lula no Paraná, Jorge Samek, afirmou que a ida de Osmar ao Palácio do Planalto é uma prova de reconhecimento pelo pedetista da presença do governo federal no Estado. ?Seja na condição de candidato ao governo ou de senador, o Osmar tem andado pelo Paraná e visto o trabalho do governo federal?, afirmou.

Samek descreveu ainda a postura do presidente Lula como ?republicana? ao conversar com um senador que pertence a um partido de oposição ao governo. ?O presidente Lula dialoga com as mais diferentes forças políticas?, afirmou.

Antecedentes

Não foi o primeiro encontro particular de Osmar com o presidente Lula. No ano passado, o senador já esteve com Lula, quando setores do PT, notadamente o atual ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, defendiam uma aproximação do PT do Paraná com o PDT. O grupo de Bernardo no Estado via em Osmar e no PDT uma alternativa para o PT de composição a sucessão estadual.

Ao contrário do senador Álvaro Dias, um dos porta-vozes da oposição ao presidente no Senado, Osmar sempre manteve um comportamento mais discreto em relação ao governo petista. O senador pedetista direcionou suas críticas à política agrícola do governo federal. Osmar disse que irá levar a Lula as reivindicações dos produtores agrícolas após o encerramento do primeiro turno da eleição.