Prefeito de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, durante os mandatos de 2004 a 2008, quando foi eleito pelo PSB, e de 2009 a 2012, quando já integrava o PMDB, Edson Darlei Basso terá que devolver R$ 33 mil aos cofres públicos por ter contratado um funcionário de forma irregular. A decisão é da 2ª Vara da Fazenda Pública da comarca, em resposta à ação civil pública ajuizada pela 1ª Promotoria de Justiça de Campo Largo, que condenou o ex-prefeito por improbidade administrativa.

De acordo com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), o então prefeito nomeou, em 2005, um funcionário para a função de chefe da Secretaria Municipal de Desenvolvimento, em um cargo de provimento em comissão. O servidor, porém, exercia atividades de vigia, pertinentes a cargo que deveria ser de provimento efetivo, com a realização de concurso público. O MP destaca que a situação foi reconhecida como ilegal pela Justiça do Trabalho, em ação proposta pelo ex-servidor público na qual o município foi condenado.

A Promotoria havia requerido na ação, em caráter de urgência, a indisponibilidade dos bens do ex-prefeito, como forma de garantir futura aplicação de reparação integral do dano causado. O pedido foi deferido pela Justiça. O ex-prefeito foi, agora, condenado por ato de improbidade administrativa e deverá promover o ressarcimento integral do dano causado aos cofres públicos, calculado em R$ 33.364,29 (valor que deve ser atualizado), sendo R$ 22.243,29 gasto à época com a condenação trabalhista relativa ao processo movido pelo ex-servidor e R$ 11.121,00 de pagamento de multa civil (correspondente a metade do dano causado). Também teve suspensos seus direitos políticos pelo prazo de três anos.

Carro da prefeitura de Campo Largo é retirado de piscina