Um dia após o governo brasileiro pedir explicações à Embaixada dos Estados Unidos em Brasília sobre a divulgação de um esquema de espionagem eletrônica e telefônica no Brasil, o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, disse que o governo americano demonstra uma disposição para o diálogo que é “encorajadora”.

O ministro voltou a classificar a situação como “preocupante, grave e que requer esclarecimentos”. “Acho que precisamos aprofundar as discussões”, disse Patriota, que esteve em Belo Horizonte para uma palestra na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

A denúncia de espionagem dos serviços de inteligência americana no Brasil foi publicada pelo jornal O Globo, que teve acesso a dados obtidos pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden.

Snowden está a procura de asilo político após ter seu passaporte cassado nos EUA por ter vazado um enorme esquema de espionagem comandado pela Agência Nacional de Segurança dos EUA.

Sobre a possibilidade de elaboração de um plano multilateral nas Nações Unidas para combater a espionagem, como cogitou em nota oficial, Patriota disse que essa é uma possibilidade em estudo.

“Nós estamos examinando como levar para o sistema da ONU um debate que garanta não só a privacidade, mas também o respeito e a cidadania dos estados quando se trata do uso da tecnologia da informação e da segurança cibernética”, afirmou.

Patriota também descartou a possibilidade de uma mudança de postura em relação ao ex-técnico da CIA, ao falar sobre a possibilidade de recebê-lo no Brasil. “O governo brasileiro foi claro ao indicar que não responderia a essa correspondência e não há intenção de receber esse cidadão aqui no Brasil”.