Foto: Chuniti Kawamura/O Estado

Emerson Nerone: ?O governador tem meu apoio incondicional?.

Lideranças do PHS e do PCdoB, partidos coligados com o PT para a sucessão estadual, estão se transferindo para a campanha do governador Roberto Requião (PMDB). O dirigente do PCdoB Milton Alves e o secretário de Estado de Trabalho, Emprego e Promoção Social, Emerson Nerone, que integra o comando do PHS, reconhecem a aproximação com Requião.  

Nerone afirmou ontem que embora seu partido esteja na coligação do candidato Flávio Arns, ele, assim como grande parte do PHS, está apoiando a reeleição do governador Roberto Requião (PMDB). ?O governador tem meu apoio incondicional?, afirmou o secretário. Nerone estima que aproximadamente 90% do partido está com Requião para o governo e com Gleisi Hoffmann para o senado. ?Seria natural que o PT e o PMDB fossem aliados no Paraná, mas algumas pessoas não viabilizaram essa aliança?.

Segundo ele, o PHS coligou com o PT com um motivo claro. ?Numa coligação com o PMDB seria muito difícil eleger um deputado federal e um deputado estadual?. Nerone, que foi vice do petista Padre Roque na eleição para governador em 2002, afirma ainda que no pleito passado não teve um apoio claro de Arns.

Já o membro da comissão executiva estadual do PHS, Marlos Almeida, afirma que Nerone é uma exceção dentro do partido. Segundo ele, o partido como um todo tem trabalhado com o PT na Coligação Paraná Unido para a eleição de Flávio Arns.

O presidente estadual licenciado do PCdoB, Milton Alves, que é diretor-presidente da autarquia Paraná Esporte, declarou que o governador é um aliado antigo do seu partido. Mas, ao ser questionado se o PCdoB está com Requião ou com Arns, Alves admitiu a divisão no partido. ?Temos compromisso com Requião, enquanto força política. É um aliado do PCdoB desde a política estudantil. E o PT é um aliado histórico de 30 anos, com quem temos várias posições comuns?. Segundo ele, o partido está confortável com o PMDB e com o PT. Alves afirmou que os três partidos deveriam estar juntos e não vê nenhuma contradição em suas posições.

Porém, a principal liderança do PCdoB no Paraná, o candidato a deputado federal Ricargo Gomyde, afirma que o partido não está apoiando a reeleição do governador Roberto Requião (PMDB). ?Evidentemente que há muita gente da base do PCdoB com simpatia por Requião, mas estamos coligados com o PT no Paraná?, declarou. Segundo Gomyde, o PCdoB tem participado de todas as reuniões na coligação com o PT e não há aproximação de militantes do partido com o governador. ?Imagino que esse boato tenha surgido por causa da vinda do Lula a Colombo (no próximo sábado, dia 9) e pelo posicionamento do governador em favor da Gleisi?, disse.

O coordenador-geral da campanha Arns e de Gleisi, Cido Spada, entende que embora algumas lideranças do PHS e do PCdoB possam estar apoiando o governador Requião, no conjunto os partidos estão com o PT. ?Quando fechamos a coligação sabíamos que algumas pessoas teriam dificuldades em apoiar Arns. Mas embora estejam com Requião, não estão contra Arns, permanecem numa linha respeitosa, além de apoiarem Gleisi e Lula?.