Foto: Agência Câmara

Atual legislatura teve um total de 616 deputados federais, dos quais 118 não foram a mais de 25% das sessões.

Um em cada cinco deputados federais que exerceram mandato na legislatura 2003 – 2006 esteve ausente em mais de 25% das sessões. No total, foram registradas 51.830 ausências. Foi o que constatou o portal Congresso em Foco, que anualmente analisa os dados de assiduidade da Câmara Federal.  

Entre os 616 deputados que passaram pela casa nesse período, 118 marcaram presença em menos de 75% das votações do plenário. Seis deles são do Paraná, que foi representado por 35 deputados no período, o que representa 17,14% de deputados com menos de 3/4 de freqüência. Se esses deputados fossem estudantes, seriam reprovados por faltas.

A posição do Paraná no ranking da assiduidade não é das piores. Liderado por Espírito Santo, Sergipe e Distrito Federal, que não tiveram nenhum deputado entre os mais faltosos, o ranking tem o Paraná em 12.º lugar. Proporcionalmente, o Rio Grande do Norte é o estado com maior ausência. Cinco dos dez deputados do estado (50%) não compareceram a 75% das sessões. Alagoas (41,6%) e Pernambuco (39,2%) vêm em seguida.

Os seis deputados paranaenses que não atingiram 75% de presença foram Dr. Rosinha (PT), com 70,7% de presença. José Janene (PP), 50,2%, Max Rosenmann (PMDB), 67,4%, Odílio Balbinotti (PMDB), 66,4%, Reinhold Stephanes (PMDB) 72,0% e José Borba (PMDB), 68,5%. A maioria das faltas foram justificadas. Licença médica e a chamada missão oficial autorizada foram os dois motivos mais alegados pelos deputados para não comparecerem ao plenário. Dr. Rosinha, por exemplo, justificou todas as suas 178 ausências, assim como Max Rosenmann, que faltou a 198 das 608 sessões.

O único paranaense a participar de todas as sessões para que foi convocado foi Irineu Rodrigues (PPS), mas ele só participou de 14 sessões -, terceiro suplente de sua coligação, ele só foi titular na Câmara no mês de maio, quando substituiu José Janene. O segundo mais assíduo também não participou de muitas sessões. Cláudio Rorato (PMDB) foi a 66 de 67 sessões. Ele atuou entre novembro de 2005 e março de 2006.

Entre os deputados que participaram de mais de 100 sessões, os mais assíduos paranaenses foram Paulo Bernardo (PT), com 95,3% de presença, participando de 332 das 338 sessões ocorridas na Câmara antes de ser convidado para o Ministério do Planejamento. Eduardo Sciarra (PFL), esteve em 571 de 599 sessões, também com índice de presença de 95,3%. Entre os deputados que exerceram o mandato durante todo o período sem nenhuma interrupção, Nelson Meurer (PP) e Osmar Serraglio (PMDB) foram os mais assíduos, com 94,4% de presença, participando em 574 das 608 sessões e sem nenhuma falta não justificada.

No Brasil

As faltas somadas pelos deputados nos últimos quatro anos chegam a 51.830, sendo que 48.668 foram justificadas e outras 3.162 ficaram sem nenhuma explicação. Para fazer o ranking dos mais faltosos, o Congresso em Foco também levou em conta as ausências justificadas.

Descontadas as ausências por razões de saúde, os dez parlamentares que mais faltaram foram: Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), o campeão, com 255 faltas; Vicente Cascione (PTB-SP), 239; João Herrmann Neto (PDT-SP), 234; Osvaldo Coelho (PFL-PE), 230 e Jader Barbalho (PMDB-PA), 222.

O mais assíduo de todos foi o deputado Paulo Afonso (PMDB-SC), que recebeu o Prêmio Congresso em Foco, mês passado, exatamente por não ter deixado de comparecer a nenhuma das 608 sessões deliberativas realizadas pela Câmara desde fevereiro de 2003. Também estão entre os mais assíduos: Lincoln Portela (PL-MG), com duas faltas; Sérgio Miranda (PDT-MG), seis faltas; Ildeu Araújo (PP-SP), sete e José Divino (sem partido-RJ) e Mário Assad Júnior (PSB-MG), 13.