Petrobras Distribuidora (BR), subsidiária da estatal para a comercialização de combustíveis, registrou lucro de R$ 585,8 milhões nos nove primeiros meses de 2002, um crescimento de 182% com relação aos números apurados no mesmo período em 2001. Os resultados, ainda não auditados, sofreram impacto da venda de participações em distribuidoras de gás canalizado à Petrobras, no início do ano.

A receita operacional cresceu 9,5% no período, atingindo R$ 12,9 bilhões entre janeiro e setembro. A empresa informou à Bolsa de Valores de São Paulo que atingiu, em setembro, uma participação de mercado de 32,6%. Em março, a BR acertou com a Petrobras a transferência de suas 13 participações em distribuidoras de gás canalizado, em uma operação de R$ 554 milhões.

A Petrobras anunciou ontem (7) que vai propor novamente o fechamento de capital da distribuidora. Desta vez, porém, fará a permuta das ações com base no valor econômico das empresas e não no valor de mercado, como tentou há dois anos. Na época, a operação foi barrada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Agora, a empresa propõe a troca de cada lote de mil ações da BR por 0,7 ação da Petrobras, valor que pode variar de acordo com o desempenho da estatal na bolsa de valores.