A reforma agrária é o tema principal da Jornada Nacional de Luta, que está sendo promovida por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Ontem, por volta das 7h, trabalhadores de diversos municípios paranaenses se concentraram no Monumento Antônio Tavares, na BR-277, entre Curitiba e Campo Largo, e depois seguiram até a Praça 29 de Março, na capital. Do local, foram em caminhada até a sede da Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), onde entregaram uma pauta de reivindicações. “Nossa principal reivindicação é o assentamento de cinco mil famílias que se encontram acampadas em várias regiões do Paraná, até o final deste ano. Muitas famílias vivem em acampamentos há mais de dez anos e precisam ter suas situações solucionadas”, diz o integrante da coordenação estadual do MST, José Damasceno.

Os trabalhadores também pedem a renegociação das dívidas dos assentados. Outra reivindicação é a criação de uma linha de crédito especial e subsidiada pelo governo federal para os assentados. A intenção é de que a linha seja acessível e desburocratizada. “Atualmente, o Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) só é acessível a 15% dos assentados. Ele é incompatível com as condições da maioria, pois trata os assentados, que tiveram acesso recente à terra, da mesma forma que trata agricultores que já estão em atividade há décadas”, disse.

Na tarde de ontem, os sem terra participaram de um culto ecumênico na Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Curitiba, e depois se abrigaram em um ginásio no bairro Tarumã. Hoje, eles pretendem continuar com as discussões no Incra e agendar reuniões com representantes do Banco do Brasil e Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária acontece todos os anos, no mês de abril, em memória dos 19 sem terra mortos no Massacre de Eldorado de Carajás, no Pará, em 17 de abril de 1996.

Incra

O Incra no Paraná divulgou uma nota informando alguns dados em relação às reivindicações dos trabalhadores rurais. A respeito da obtenção de áreas, o Incra informou que devem ser vistoriados cerca de 35 mil hectares neste ano. A meta é assentar 1.080 famílias em 2010. Sobre a infraestrutura, o Incra informou que desde 2002 abriu e readequou mais de 1.600 quilômetros de estradas e que nos últimos sete anos foram investidos cerca de R$ 84 milhões em créditos de instalação, fomento, construção e recuperação de moradias em assentamentos, beneficiando mais de 21 mil famílias. Em relação à assistência, a nota diz que um convênio com a Emater garante a assistência técnica para mais de 11 mil famílias assentadas no Estado, até o ano que vem.