Foto: Sanepar/Divulgação

Acordo assinado ontem tratou apenas do reajuste salarial.

Representantes dos trabalhadores e a direção da Sanepar assinaram ontem o acordo coletivo de trabalho. Os funcionários terão reajuste de 3,12%, mais um aumento linear de R$ 55,00 para todas as categorias. Nós próximos dias, os sindicalistas pretendem agendar uma reunião para discutir o desconto dos dias de greve. No entanto, a Sanepar já adiantou que vai seguir a determinação do governador Roberto Requião e efetuar o desconto.  

Dezesseis sindicatos aceitaram a proposta de reajuste salarial. As exceções foram os de Londrina e Maringá. O diretor administrativo da companhia, Hermes da Fonseca, disse que ?a diretoria acredita que deverá prevalecer o bom senso e que a posição da categoria poderá ser revista, já que a proposta é o que é possível para a Sanepar oferecer aos seus empregados no momento?.

Segundo o diretor-presidente do Sindicato dos Químicos do Estado do Paraná, Elton Evandro Marafigo, no encontro de ontem, os trabalhadores não discutiram o desconto dos dias parados porque a reunião foi feita exclusivamente para assinar o documento. Mas prometem que nos próximos dias começam a levantar esta bandeira. ?Ainda há tempo, já que o desconto não vem neste mês?, falou. No entanto, a assessoria de imprensa da Sanepar já adiantou que a empresa pretende acatar a determinação do governador e descontar os dias em que os trabalhadores ficaram de braços cruzados.

Os funcionários iniciaram a negociação salarial pedindo um reajuste de 20%, para compensar as perdas acumuladas em 10 anos. Mas a Sanepar ofereceu apenas a inflação: 3,12%. Os trabalhadores entraram em greve e a empresa formalizou duas novas propostas, ambas recusadas pela categoria. Os funcionários só resolveram voltar atrás depois que a Sanepar protocolou um pedido de dissídio coletivo no Ministério Público do Trabalho (MPT), deixando que a decisão ficasse a cargo da Justiça, além de retirar a última proposta apresentada.

Esta semana, Requião se reuniu com a direção da Sanepar e, na condição de representante do maior acionista, autorizou a diretoria a manter a proposta do acordo coletivo de trabalho, mas exigiu o desconto.