A exclusividade das casas lotéricas na venda do EstaR (Estacionamento Regulamentado) continua dividindo opiniões. De um lado as lotéricas que aproveitam o aumento do movimento e os usuários que aprovam a mudança. Do outro, os donos de bancas e os motoristas que encontram dificuldade para adquirir os talões ou regularizar as infrações. Prefeitura e Caixa Econômica Federal conversam para viabilizar um acordo para incluir as bancas na venda e Setran diz que está acertando a demanda e resolvendo os problemas.

O presidente do Sindicato dos Vendedores de Jornais e Revistas no Paraná (Sinjor-PR), Laércio Skaraboto, afirmou que teve uma reunião na última terça-feira com Itamar Neves, chefe de gabinete do prefeito Gustavo Fruet, e que a prefeitura ficou de iniciar as conversas. “Ele ouviu a nossa reivindicação e se comprometeu a entrar em contato com a Caixa”. A assessoria da Caixa Econômica informou que receberam um contato e a possibilidade de incluir as bancas na comercialização do EstaR será analisada, pois a ideia é beneficiar os usuários.

Nas lotéricas, a reclamação é em relação à regularização das notificações. Um problema no código de barras impede a leitura nas máquinas. Miriele Portella é funcionária de uma casa lotérica e confirma o problema. “As pessoas não conseguem pagar e ficam nervosas, mas a culpa não é nossa”.

Venda supera expectativas das lotéricas

Quem não consegue fazer a regularização nas lotéricas precisa procurar a Setran nos seguintes locais: na sede da Rua Benjamin Constant, 157, região central da cidade; no posto da Setran da Rodoferroviária; nos postos da Setran nas ruas da cidadania da Fazendinha-Portão, Boa Vista e Boqueirão (Terminal do Carmo). Informações também podem ser obtidas pelos telefones (41) 3221-2187 e (41) 3321-2188.

A secretária de Trânsito de Curitiba, Luiza Simonelli, afirma que a Caixa vai resolver o problema e minimizou as reclamações. “Em dez dias, cerca de 20 mil regularizações foram efetuadas e apenas 62 casos foram recebidos no balcão de atendimento”.

Outro problema apontado por usuários é a falta de talões em alguns pontos de vendas. Miriele Portella afirmou que se surpreendeu com as vendas. “Pedimos mais blocos há três dias e não recebemos. Como vende bastante, estamos ficando sem”.

A secretária Luiza Simonelli afirmou que já foram entregues mais de 50 mil talões e que a logística é feita pelos Correios. Ela sugere que os pedidos sejam feitos com antecedência. “Hoje passei em uma lotérica para sentir de perto. O proprietário pediu pouco e vendeu rápido”.

A prefeitura anunciou ontem que, em dez dias de operação do convênio com a Caixa, as lotéricas venderam mais de 44 mil talões do EstaR. Foram 26 mil talões normais (com dez folhas, ao preço de R$ 15) e 18 mil talões de regularização (com dez folhas, ao preço de R$ 16,50).