Os cirurgiões-dentistas da Prefeitura de Curitiba, que estão em greve há uma semana, vão se reunir em uma assembleia às 20 horas desta quinta-feira (29) para discutir a nova proposta feita pela administração municipal para encerrar a paralisação.

Na noite desta quarta-feira (28), o prefeito Luciano Ducci se reuniu com representantes dos cirurgiões-dentistas e do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (Sismuc) para discutir a paralisação.

O prefeito propôs um aumento salarial de 40%, mas dividido em três vezes: 15% em janeiro de 2012, 15% em janeiro de 2013 e 10% em janeiro de 2014.

A proposta inicial da Prefeitura de Curitiba era de 20% de aumento real, sendo 10% em janeiro de 2012 e o restante em janeiro de 2013.

Mas os cirurgiões-dentistas que também trabalham pelo Programa Saúde da Família, do governo federal, teriam redução de 80% para 60% na gratificação por esta atividade. Os dentistas vem realizando uma série de manifestações e passeatas desde o início da greve.

Nesta quinta-feira, alguns cirurgiões-dentistas permanecem até à noite na frente da Prefeitura, no Centro Cívico. “A categoria vai analisar a nova proposta da Prefeitura, que não contemplou o ponto principal: a isonomia com os médicos”, afirma Irene Rodrigues, diretora de assuntos jurídicos do Sismuc.

Os cirurgiões-dentistas que atuam nas unidades de saúde de Curitiba alegam que sempre ganharam o mesmo salário dos médicos da rede municipal de saúde. Neste ano, uma gratificação de 100% foi incorporada aos salários dos médicos. Para os dentistas, a medida criou uma nova tabela salarial e a mudança também deveria contemplar os cirurgiões-dentistas.