Foto: Fábio Alexandre

Buarque, políticos e estudantes participaram de ato.

Munido da bandeira do Brasil com a mensagem ?Educação é Progresso?, o senador Cristovam Buarque (PDT) esteve em Curitiba, ontem, para divulgar o seu mais novo projeto batizado de ?Educação Já?. No projeto, o senador defende a federalização da educação básica, ensino médio de quatro anos e escolas públicas funcionando em horário integral. Estas e outras propostas foram compiladas em um pequeno livro que foi entregue ao ministro da Educação, Fernando Haddad.  

Depois de expor suas idéias, o senador seguiu em caminhada pelo centro de Curitiba acompanhado de estudantes e políticos. Todos se concentraram na Boca Maldita com faixas em defesa da educação.

Buarque explicou que para desenvolver todas as propostas do ?Educação Já? seriam necessários R$ 7 bilhões, dinheiro que, segundo ele, poderia vir do próprio orçamento do governo federal. ?Isso é apenas 1% da receita. Dá para fazer sim. Se reduzir os gastos com o Congresso, com o dinheiro da Petrobras. E é o povo na rua quem vai conseguir colocar em prática o que estou dizendo?, enfatizou o senador.

No que se refere à federalização do ensino básico, Buarque explicou que as escolas e seus funcionários seriam, em sua maior parte, geridas em conjunto pelos governos federal e municipal. ?O município continuaria pagando o salário dos professores e o adicional seria arcado pelo governo federal?, explicou.

Na avaliação de Buarque, o ensino médio de quatro anos contribuiria não só com a melhoria na educação dos jovens, mas também com a criação de empregos. De acordo com uma pesquisa feita pelo senador antes da produção do livro entregue ao presidente, gasta-se no País cerca de R$ mil por estudante a cada ano, enquanto com os jovens infratores dispendem-se R$ 52 mil no mesmo período. ?Todo o brasileiro deve ter a mesma chance. Não investir em educação tem um custo muito maior do que investir. Sabemos que boa parte da violência é gerada pela falta de educação?, afirmou.

A caminhada na Boca Maldita aconteceu, segundo o senador, como um chamamento à população da mesma forma que ocorreu no movimento ?Diretas Já? e no impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Melo. Durante a tarde de ontem, Buarque proferiu uma palestra no 6.º Encontro Nacional dos Dirigentes de Graduação das IES Particulares e fez um pronunciamento na Câmara de Vereadores. À noite, o senador fechou sua permanência na capital no encontro de lideranças do PDT e com uma palestra para estudantes de ciência política da Facinter (Faculdade Internacional de Curitiba).