Uma pesquisa inédita realizada em 2,1 mil lares de oito cidades brasileiras apontou que 87% das famílias pesquisadas em Curitiba possuem animal de estimação.

No entanto, das pessoas incluídas no estudo na capital paranaense que não possuem bichinhos, apenas 10% pretendem adquirir um. Já a cidade que menos possui famílias com animais é o Rio de Janeiro (75%), Recife e Porto Alegre (ambas com 76%). Em Porto Alegre, no entanto, a quantidade de famílias que pretende ter um bichinho chega a 19%.

A pesquisa, batizada de Radar Pet 2009, foi encomendada pela Comissão de Animais de Companhia (Comac) do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan).

Os principais objetivos são fazer um raio-x do mercado pet e ter mais subsídios para elaboração de estratégias de marketing. Outro objetivo é perceber como os animaizinhos são cuidados e estimular a posse responsável.

Entre as principais constatações da pesquisa está a confirmação de que a preferência dos brasileiros ainda é pelos cães (79% deles declararam ter cachorros como pets) e os gatos seguem em segundo plano (10%).

Porém, como explica o vice-presidente da Comac, André Prazeres, a preferência pelos felinos vem crescendo, ainda que pouco. “Sabemos que ele (o gato) é companheiro, só não apresenta a mesma interatividade que o cão”, comenta.

Outra conclusão considerada importante por Prazeres é que os cães são menos imunizados do que deveriam. “Descobrimos que vendemos bem menos vacinas para raiva do que o número de cães domiciliados”, comenta.

O estudo concluiu, ainda, que no universo pesquisado – classes A, B e C – há 25 milhões de cães e sete milhões de gatos. Dentre as raças caninas mais apreciadas, os animais sem raça definida (SRD) estão em 36% das escolhas, seguidos por poodle (24%), daschund (7%) e pinscher (7%). No caso dos gatos, os animais SRD representam 77% das respostas, seguidos por siamês (26%), persa (4%), angorá turco (3%) e outras raças.