O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, voltou a defender a Medida Provisória que conferiu o status de ministro ao presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. “Nós na equipe econômica temos consciência de que nossas funções geram permanentes polêmicas. Em particular, a política fiscal e monetária. É uma polêmica necessária e faz parte da construção institucional do Brasil”, afirmou Palocci.

O ministro lembrou que o presidente do Banco Central viveu um período de acusações “bastante inadequadas”, mas respondeu a todas elas. “Meirelles esclareceu as questões levantadas e isso não foi discutido ontem (durante reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com a equipe econômica), porque é uma questão já resolvida”, disse Palocci.

Ele revelou que pediu ao presidente que editasse a MP porque achou importante dar ao Banco Central uma estruturação mais adequada às funções, porque a instituição é sensível aos processos, tanto políticos quanto econômicos. “Nós temos obrigação em zelar para que isso se dê da forma mais serena possível. Nós vamos zelar por isso; é nossa obrigação”, concluiu.