O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), vai avaliar se a Casa deve mandar uma comissão externa a Tegucigalpa, capital de Honduras, para acompanhar a crise no país centro-americano. O grupo de deputados marcou a viagem para amanhã, às 8 horas. “Vou chamar os deputados, trocar ideias com eles. Eu não sei se vale a pena. Vou examinar isso. A situação está um pouco complicada a essa altura. Não sei se vale a pena os nossos deputados estarem lá”, disse Temer.

O deputado Raul Jungmann (PPS-PE), coordenador do grupo, disse que a comissão vai verificar a situação dos brasileiros residentes no país depois da entrada de Manuel Zelaya na embaixada brasileira. Segundo o deputado, há o temor de que haja algum tipo de represália após o Brasil ter abrigado o presidente deposto em sua embaixada. “Nossa missão é garantir a integridade dos brasileiros que residem no país. Vamos procurar algum tipo de compromisso que garanta a segurança dessas pessoas”, afirmou.

De acordo com o deputado, o grupo parlamentar terá reuniões com o presidente do Congresso hondurenho, José Alfredo Saavedra, e com representantes da comunidade brasileira em Honduras. A comissão também pretende visitar a embaixada brasileira, cujo prédio está cercado por tropas do governo de facto, comandado por Roberto Micheletti. “Não faremos nenhum contato com o governo local. Nossa negociação se dará exclusivamente com o parlamento”, afirmou Jungmann. O retorno dos parlamentares ao Brasil está previsto para sexta-feira.