As relações já desgastadas entre Afeganistão e Estados Unidos receberam mais um golpe neste domingo, depois de o presidente afegão Hamid Karzai afirmar que o Taleban mata civis do país “a serviço da América”. A declaração foi feita antes de um encontro entre Karzai e o novo secretário de Defesa norte-americano, Chuck Hagel, que está no Afeganistão para discutir formas de encerrar a missão militar dos EUA no país.

No sábado, o primeiro dia da visita de Hagel, ataques de homens-bomba deixaram pelo menos 18 mortos do lado de fora da sede do Ministério da Defesa, em Cabul, e na província de Khost, no leste do país.

Em discurso televisionado neste domingo, Karzai disse que os EUA não enxergam o Taleban como inimigo, não pretendem retirar suas tropas do país no final de 2014 e estão em negociações com líderes do grupo terrorista.

“O Taleban mantém conversações diárias com os EUA, mas em Cabul e Khost eles detonam bombas para mostrar sua força à América”, disse o presidente. “As bombas que explodiram em Cabul e Khost ontem não foram uma demonstração de força para a América, mas a serviço da América.”

“É categoricamente falsa”, disse o general Joseph Dunford sobre a acusação. Dunford assumiu o comando das forças da coalizão no país no mês passado. “Não temos motivo para formar um conluio com o Taleban. Não temos motivo para apoiar a instabilidade no Afeganistão. Tudo o que tentamos fazer nos últimos 12 anos foi trazer paz e estabilidade ao povo afegão, para que eles possam aproveitar a década de oportunidade que virá após 2014.”

Após o discurso de Karzai, Hagel e o presidente afegão cancelaram uma entrevista coletiva que aconteceria no palácio presidencial. Segundo autoridades norte-americanas, o evento foi cancelado por questões de segurança. Hagel também cancelou visitas aos ministérios de Defesa e do Interior, e se reuniu com os ministros em outros locais da cidade. As informações são da Dow Jones.