Pelo menos seis soldados ucranianos foram mortos em mais de dois dias de combates no momento em que os separatistas intensificaram bombardeios de posições do governo diante de negociações de paz previstas para a próxima semana, afirmaram militares ucranianos nesta sexta-feira.

De acordo com o comando das operações militares no leste da Ucrânia, postos avançados do exército foram alvejados 50 vezes por pequenas armas de fogo, morteiros e foguetes. Separatistas acusaram o Exército ucraniano de ataques semelhantes com foguetes realizados na quinta-feira e na sexta-feira.

A intensificação das hostilidades acontece um mês após uma trégua renovada levar a um período de calmaria acentuada nos combates.

O porta-voz do Exército ucraniano, Andriy Lysenko, disse que quatro soldados morreram em combates na quinta-feira. A Guarda Nacional afirmou, em um comunicado, que dois de seus soldados foram mortos durante um confronto armado na sexta-feira do lado de fora da cidade de Luhansk, dominada por separatistas.

Líderes da Ucrânia, Rússia, Alemanha e França devem se reunir na próxima quinta-feira no Casaquistão para discutir soluções para o conflito. As negociações, ainda não confirmadas, são vistas como uma tentativa por parte de Moscou para buscar um abrandamento das sanções impostas pela União Europeia no ano passado, em resposta à anexação da Crimeia e ao apoio russa às forças separatistas na Ucrânia.

O Ministro de Relações Exteriores da Ucrânia, Pavlo Klimkin, disse em sua conta no Twitter que vai se reunir com os seus equivalentes da Rússia, Alemanha e França em Berlim nesta segunda-feira.

Há indícios de crescentes tensões nos últimos dias nas regiões de Donetsk e Luhansk. De acordo com o Exército ucraniano, houve um aumento nos bombardeio realizados por separatistas. Pelo menos quatro aldeias foram atingidas por foguetes na quinta-feira. Fonte: Associated Press.